domingo, 18 de março de 2012

MOTIVOS HISTÓRICOS DAS REVOLTAS E REBELIÕES NO CAMPO


Tirado do DVD - Direito à Memória Verdade e Justiça – do Ministério da Justiça, relativos aos Estudos e Implantação da Comissão da Verdade no Brasil, sob o Título – Revoltas e rebeliões no campo.

Foto de Brasil247
A partir do início da década de 1960, a figura do trabalhador rural ganhou força e visibilidade política na cena pública do país. O reconhecimento de sua importância deveu-se, em grande parte, ao esforço de mobilização desses trabalhadores durante os anos de 1940 e 1950, período em que posseiros, parceiros, arrendatários, foreiros e colonos, entre outras denominações, passaram a se organizar coletivamente e a reagir principalmente contra as expulsões de trabalhadores das propriedades rurais.

Essas expulsões ocorreram por razões diversas, em diferentes regiões do Brasil – incorporação de antigos engenhos ao sistema de usinas; utilização de áreas de plantio de uso do trabalhador e de sua família com finalidades industriais; apropriação indébita de terras cultivadas pelo trabalhador rural; processo de urbanização acelerado pelo aumento das migrações do campo para a cidade. Em comum, porém, essas expulsões atingiram um número elevado de trabalhadores, de forma súbita, ao mesmo tempo e em áreas distintas do país.

As lutas sociais que eclodiram na área indicam que o acesso à terra funcionava como sua motivação básica – ainda que a reivindicação de reforma agrária só apareça como pauta unificadora do movimento no final da década de 1950. Todas essas lutas contaram com a participação de grupos e partidos de esquerda, envolveram um número significativo de camponeses e provocaram enfrentamentos armados entre trabalhadores rurais, jagunços e policiais.

Ainda que as motivações fossem distintas, as lutas em Porecatu, no norte do Paraná, remontavam ao final da década de 1940, quando posseiros começaram a ser mortos por jagunços encarregados de promover sua expulsão das terras. Também na revolta de Trombas - Formoso, ocorrida em Goiás, e que se prolongou por toda a década de 1950, o motivo foi a grilagem, a apropriação indébita de terras cultivadas por posseiros. Já na região do Triângulo Mineiro, as lutas foram provocadas pela transformação dos arrozais em pasto cultivado para receber milhares de cabeças de gado. Nas matas do Pindaré Mirim, no Maranhão, outro mote: a invasão do gado zebu nas roças destruindo a produção do trabalhador. Os motivos eram muitos, mas graças a lutas como essas surgiram organizações camponesas, e o Brasil evidenciou, no campo, a marca dos graves problemas sociais – problemas que exigiam soluções urgentes, não de natureza policial, mas política, como a Reforma Agrária.

Poderá ler também:


Para saber mais:

GRYNSZPAN, Mario. Da barbárie à terra prometida: o campo e as lutas sociais na história da República. In: GRYNSZPAN, Mario et al. (Org.). A República no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Fundação Getulio Vargas, 2002.

MEDEIROS, Leonilde Servolo. Luta por terra e organização dos trabalhadores rurais: a esquerda no campo nos anos 50/60. In: MORAES, João Quartim; ROIO, Marcos Del. (Org.). História do marxismo no Brasil: visões do Brasil. Campinas: Editora UNICAMP, 2007.

Referências bibliográficas:
BEZERRA, Gregório. Memórias (segunda parte: 1946-1969). Rio de Janeiro; Civilização Brasileira, 1979.

BORGES, Joaquim. Operação anti-guerrilha. Uberaba: Editora Juruna, 1979.

COELHO, Marco Antônio Tavares. Herança de um sonho: as memórias de um comunista. Rio de Janeiro: Record, 2000. CONCEIÇÃO, Manuel da. Essa terra é nossa. Petrópolis: Vozes, 1980.

CUNHA, Paulo Ribeiro da. “Utopia e realidade na luta camponesa de Formoso e Trombas”. In: STARLING, Heloisa M. M, RODRIGUES, Henrique Estrada, TELLES, Marcela (org.) Utopias agrárias. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

GRYNSZPAN, Mario. “Da barbárie à terra prometida: o campo e as lutas  sociais na história da República”. In:__. GOMES, Angela de Castro, PANDOLFI, Dulce Chaves, ALBERTI, Verena (org.) A República no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira; Fundação Getúlio Vargas, 2002.

MEDEIROS, Leonilde Servolo. “Luta por terra e organização dos trabalhadores rurais; a esquerda no campo nos anos 50/60”. In:MORAES, João Quartim & ROIO, Marcos Del. (org.) História do marxismo no Brasil: visões do Brasil. Campinas: Editora UNICAMP, 2007.

PAULA, Delsy Gonçalves & SOARES, Paula Elise. “Uma história recôndita: a orientação socialista e as lutas no campo brasileiro”. In: PAULA, Delsy Gonçalves, STARLING, Heloisa M. M. GUIMARÃES, Juarez Rocha (org.) Sentimento de reforma agrária, sentimento de república. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

SIQUEIRA, André Ike. “1950: caçada humana no norte do Paraná”. In:__. João Saldanha: uma vida em jogo. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2007.

Arquivo do blog